Vincent Van Gogh, o renomado pintor holandês, é conhecido mundialmente por suas obras de arte impressionantes e ao mesmo tempo melancólicas. Suas pinceladas pesadas e cores vibrantes retratam a vida rural e os dramas humanos da época em que viveu. Poucos sabem, no entanto, que Van Gogh era um grande fã de literatura e um leitor ávido. O escritor favorito de Van Gogh era Charles Dickens, um dos autores mais relevantes da literatura inglesa do século XIX.

A admiração de Van Gogh por Charles Dickens não era apenas por sua habilidade em escrever histórias envolventes, mas sim pelo poder de suas palavras em retratar a humanidade como ela é. O escritor baseava muitos de seus personagens em pessoas reais e em suas próprias experiências de vida, trazendo à tona questões sociais e políticas da época. Essa habilidade de retratar a sociedade que o cercava de forma tão realista inspirou Van Gogh em sua arte.

Van Gogh era um leitor voraz desde a infância. Seu pai era pastor e encorajou seus filhos a lerem a Bíblia e outros livros religiosos. Van Gogh, no entanto, tinha interesses diversos e lia tudo que caía em suas mãos, desde a filosofia de Tolstói, as poesias de Baudelaire e até mesmo os romances de Balzac. Ele encontrava uma fonte de inspiração em cada um dos autores, ajudando-o a compreender os diferentes pontos de vista sobre as questões sociais de sua época.

A leitura era a fuga de Van Gogh da realidade muitas vezes implacável. Ele sofria de depressão e passava por períodos de insanidade, e a literatura lhe dava um senso de consolo e esperança. Ele via na literatura uma forma de entender e se conectar com outras pessoas, mesmo que não estivessem presentes em sua vida. Através da leitura, Van Gogh desenvolveu um senso de empatia e compreensão para com os que o cercavam.

A escrita também fazia parte da vida de Van Gogh. Ele escrevia cartas para amigos e familiares com frequência, além de manter diários e cadernos de esboços. Muitos de seus escritos foram encontrados anos após sua morte e ajudam a entender sua visão sobre a arte e a vida.

A influência de Charles Dickens em Van Gogh é notável em algumas de suas obras, como em Os Comedores de Batatas e A Noite Estrelada. Essas pinturas retratam a vida dos camponeses em sua simplicidade e dificuldades, assim como Dickens fazia em seus romances. Além disso, Van Gogh comenta sobre a obra de Dickens em algumas de suas cartas, admirando sua capacidade de descrever personagens complexos e emocionantes.

Em seus últimos anos de vida, Van Gogh se afastou da literatura e se concentrou apenas em sua arte. No entanto, ele nunca esqueceu o efeito transformador que a leitura teve em sua vida. A literatura lhe deu força e esperança, e o inspirou a retratar a vida da forma mais realista possível em sua arte.

Em resumo, Charles Dickens foi o escritor favorito de Van Gogh, e sua literatura influenciou profundamente a vida e obra do famoso pintor holandês. A leitura era uma fuga para Van Gogh da realidade, e lhe deu uma perspectiva única sobre a vida e as pessoas que o rodeavam. Através de Dickens, Van Gogh encontrou inspiração para retratar as dificuldades e lutas das pessoas comuns em sua arte, tornando-se um dos mais proeminentes artistas da história da arte.